Desmistificando o Cérebro Reptiliano: o primeiro passo para valorizarmos nossos Insights.

rcomplex_arte oficial
image_pdfimage_print

Segundo o neurologista americano Paul MacLean, criador da Teoria do cérebro trino, o “R-complex ou cérebro reptiliano é formado apenas pela medula espinhal. É o nível mais básico de organização cerebral que, nós seres humanos, possuímos.

Ele é responsável pelo nosso instinto de sobrevivência. Os padrões de comportamento do cérebro reptiliano se assemelham a um sistema binário:fugir ou lutar, matar ou morrer. É um processo dual, onde os impulsos primitivos imperam.

Frieza, rigidez, territorialismo, agressividade, hierarquia, autoritarismo, controle obsessivo são algumas características doR-complex que ainda estão presentes em nós e consequentemente, em nossa sociedade moderna.

Diariamente  nos deparamos com os instintos que derivam dessa parte primitiva de nosso cérebro. Ambientes de negócio, situações que envolvem competitividade, bem como assuntos com crivo ideológico, frequentemente são condicionados por condutas e pensamentos primários.

E tudo isso, quando somado, mina a resiliência de qualquer individuo, que muitas vezes cria padrões repetitivos e inconscientes de ações, geralmente com resultados frustrantes.

Pensando nisso, este artigo foi elaborado com o intuito de esclarecer, que o quê nos limita não é propriamente o medo, e sim a falta de conhecimento de como funciona o lado primitivo de nosso cérebro.

Quando entendemos as suas características e seus mecanismos de ação, começamos a desmistificar algumas questões complexas, e conseguimos obter aquilo que muitos denominam de  Insights.

O que são estes Insights? São lampejos que nos permitem vislumbrar outras realidades possíveis, iluminando na nossa mente, caminhos que até então nos eram desconhecidos, e que de repente, nos inspiram e nos dão a certeza de que somos capazes de realizar nossos objetivos. Isto é ancorar a confiança na nossa consciência. É uma revelação de nossa alma. É algo preciso, íntimo e individual.

Ao usarmos nossos Insights, confiantes, começamos a acessar os lados mais avançados de nosso cérebro. Com isso, passamos a ser mais conhecedores de nós mesmos e mais criativos. Passamos a ver a vida de maneira mais leve e intuitiva.

Um bom começo é iniciar um movimento de ruptura aos valores ultrapassados, propiciando uma busca mais genuína por autoconhecimento e por propósitos alicerçados em valores moralmente aceitáveis.

Se estudarmos um conjunto de ideias e valores que formaram as mentes dos mais promissores homens e mulheres dos nossos tempos iremos verificar que há uma intensa sincronia entre conhecimentos oriundos da psicologia, da neurociência, da física quântica, da filosofia, dos princípios morais contidos nas principais religiões, da biologia, da nanotecnologia e de tantos outros temas que podem estimular o nosso cérebro no seu todo. Então, iremos entender com extrema convicção, o quão poderosa é a nossa mente.

Passaremos a enxergar com simplicidade e a constatar que aquilo que pensamos, e para o qual damos poder, tem grandes chances de virar a nossa realidade.

Vamos então parar de agir como Algoz de nós mesmos! A rigidez, a inflexibilidade e a severidade são coisas criadas por pessoas que desejam o controle de nossas vidas a qualquer preço.

E quando raciocinamos, de forma criativa, longe das angustias e pressões oriundas do nosso cérebro reptiliano, acabamos por nos tornar mais serenos. Entendemos que, ainda,   por mais que impere qualquer energia de domínio e egoísmo, não mais ressonamos com elas.

Somos livres para nos aceitarmos e, consequentemente, aceitarmos aos nossos semelhantes de maneira genuína.

Talvez, isso explique a tamanha falta de tolerância que exista entre nós seres humanos, e também, os muitos questionamentos existentes frente o nosso Status Quo.

Vivemos, com certeza, em uma era de profunda mudança de valores, e mais do que nunca, é preciso coragem para mudar. E o caminho tem início quando trazemos à tona de nossa consciência aquilo que precisa ser transformado.

Por isso não se deve perder tempo! Se já existe em você essa consciência do que precisa ser modificado, é imperativo buscar respostas ou pessoas que possam ajudar. Caso o assunto ainda não esteja claro para você, não se preocupe, continue tentando e o tempo jogará a seu favor.

O primeiro passo é permitir-se. A maioria das vezes nós não nos permitimos, ficamos isolados e condicionados em nossos paradigmas e passamos a habitar o campo da inércia tão conhecido como zona de conforto.

A zona de conforto não gosta de enfrentamentos e, com certeza, enviará para o nosso sistema nervoso todo o tipo de mensagem que possa nos desencorajar a seguir em frente.  Sabendo disso, quando você se deparar com uma situação desse gênero não reaja, apenas resista, até a mensagem perder sua força.

Desligue-se das questões que lhe afligem. Entre em um ambiente calmo e relaxe, ou procure fazer atividades às quais irão lhe propiciar bem-estar. Procure coisas relacionadas à arte, à natureza, ao trabalho comunitário.

Quando estamos em um estado de relaxamento mental nossas onde cerebrais vibram em uma sintonia mais lenta, e é geralmente nesses momentos que conseguimos receber os verdadeiros  Insights.

Ao descobri-los não os despreze! Não utilize a sua mente lógica para entendê-los! Provavelmente ela irá sussurrar no seu ouvido e dizer que aquilo não é verdade.

Mas se você mantiver a coragem de seguir em frente irá descobrir que muito daquilo que vem de dentro de você é verdadeiro e valioso.

Gostou do artigo? Ele foi útil pra você? Não deixe de opinar abaixo!

Material de apoio:

Preparamos, também, um material de apoio às pessoas que queiram aprofundar-se
no assunto aqui abordado.

– O cérebro de Buda – Rick Hanson
– Inteligência Emocional, a Teoria Revolucionaria que define o que é ser inteligente  – Daniel Goleman
– “The triune brain in evolution” – Paul MacLean (sem tradução em português)

“A Visão Sistêmica da Vida” – Fritjof Capra e Pier Luigi Luisi

“Transformações na Consciência” – Thich Nhat Hanh

“O Universo Autoconsciente” – Amit Goswami

“Presença – Propósito Humano e o Campo do Futuro” – Peter Senge, C. Otto Scharmer, Joseph Jaworski e Betty Sue Flowers

“Espaço, Tempo e Além…” – Fred Alan Wolf e Bob Toben

“O Livro da Filosofia” – Will Buckingham e Douglas Kim (um compêndio simples de muitos filósofos mas com uma boa visão de suas ideias)

 

1 responder

Deixe uma resposta

Quer juntar-se à discussão?
Fique à vontade para contribuir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *