A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO MODELAGEM DOS RELACIONAMENTOS FUTUROS

A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
image_pdfimage_print

Avaliação de desempenho sempre foi o ponto mais sensível de toda e qualquer estratégia de gestão de pessoas. Desde a sua introdução nas empresas até os dias de hoje, muito se tem comentado sobre a sua difícil utilização, mas pouco se tem feito para consolidar de fato, este, que é o sistema mais importante do acompanhamento da carreira de um profissional.

Não é possível uma organização atingir seu potencial máximo em gestão e dar continuidade ao empreendimento, se não tiver um sistema de gestão de pessoas que permita conhecer cada um dos seus profissionais em termos de suas capacidades e potencialidades, bem como promover o seu desenvolvimento, incentivar o seu crescimento e, principalmente, oferecer feedbacks com os quais se podem realizar profundas mudanças pessoais.

No entanto, são poucas as empresas que têm investido na melhoria contínua dos seus sistemas de avaliação, não só do ponto de vista da atualização dos temas que serão avaliados, mas também da preparação dos seus executivos para fazer uma avaliação correta e dar um feedback justo e na medida da necessidade dos seus liderados.

A complexidade e incerteza presentes no mundo corporativo, nos dias de hoje, também pressionam as organizações a revisitarem seus sistemas de avaliação para sintonizar seus objetos de avaliação com as novas capacidades e conhecimentos exigidos pela dinâmica de negócios da empresa.

Muitas organizações, que já foram referências em sistemas de avaliação, estão hoje repensando os seus modelos para se adequarem melhor aos novos tempos, que exigem não só novas capacidades, como precisam estar em conformidade com as expectativas das gerações mais novas.

A implantação de sistemas de avaliação nas organizações exige tempo para que se tornem maduros. Não é provável que uma organização, que nunca teve um sistema de avaliação, consiga implantar algo de grande sofisticação, sem antes transitar pelos processos mais simples, que permitem ao sistema ganhar credibilidade junto aos profissionais da empresa.

Hoje, o resultado mais importante do processo de avaliação é identificar talentos e desenvolver o capital humano existente na empresa. O desempenho, o resultado e o uso inteligente dos recursos organizacionais continuam sendo a principal fonte de preocupação dos executivos.

No entanto, benefícios hoje tidos como secundários, nos processos de avaliação, começam a aflorar em algumas organizações, que percebem sua importância na preparação das pessoas para conviverem em ambientes mais colaborativos.

Esses benefícios decorrem da necessidade das organizações de acompanhar e incentivar a presença dos chamados bons comportamentos dentro do ambiente de trabalho. Ao cuidar melhor da força psíquica que impulsiona sua intenção, o profissional terá maior capacidade de lidar consigo próprio e conduzir sua conduta na correta direção.

Como temos visto ultimamente, as organizações estão se tornando mais flexíveis, colaborativas, compartilhando responsabilidades e formatando-se em redes, com a presença de times multifuncionais, trabalhando em ambientes virtuais e multiculturais.

Não há dúvidas de que além de todo conhecimento técnico e postura criativa, os profissionais dessas organizações terão que ter uma alta maturidade psíquica para lidarem uns com os outros e garantirem uma convivência sadia em um ambiente em que ideias antagônicas, visões diferentes da realidade, papéis e responsabilidades entrelaçados serão respeitados e não influenciarão na genuína disposição de um cooperar e apoiar o outro.

Investir na evolução dos processos de avaliação de desempenho poderá preparar sua empresa para o futuro que se aproxima.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se à discussão?
Fique à vontade para contribuir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *